Entre um voo e outro com Willians Mischur: Jasper e Banff

Já ouviu falar em “Reserva de Céu Escuro” (Dark Sky Preserve)? Confesso que eu, Willians Mischur, descobri seu real significado – ao vivo – no Canadá. Em uma das minhas viagens tive a oportunidade de conhecer Jasper, cidade alpina da província de Alberta, que é o centro comercial do Parque Nacional de Jasper. Esse local abriga a segunda maior “Reserva de Céu Escuro” do mundo.

Nem o frio intenso do fim de ano, época em que estive por lá, foi capaz de tirar a beleza da região. Aliás, se existe algo capaz de tirar o fôlego é exatamente a oportunidade de – em noites sem lua – olhar para o céu na reserva. Essa extensão de espaço parece polvilhar com açúcar em pó milhões de estrelas rumo à Terra. Oficialmente, podem ser observadas cerca de 500 mil estrelas nos 11 mil quilômetros quadrados de Jasper.  

Parque recebe mais de dois milhões de visitantes por ano – Crédito: Willians Mischur

Foi em 2011 que Jasper recebeu o título de “Reserva de Céu Escuro” pela Royal Astronomical Society of Canada. Isto, após ter limitado a poluição luminosa na região e criado condições ideais para contemplação. Afinal, o brilho do céu do lado de fora da borda da reserva tinha que estar em sintonia com o brilho natural do céu.

Ou seja, a área não poderia ter iluminação artificial visível e medidas educacionais deveriam ser propagadas para o público e para as cidades vizinhas acerca dos malefícios da poluição luminosa. Tanto que investiram até em claraboias escuras especiais ao redor da propriedade para projetar luz no solo e minimizar os impactos na quantidade de luz que se espalha no céu.

Um resultado que, sem dúvidas, pode ser traduzido em forma de Via Láctea – que, por sua vez, pode ser testemunhada junto às “luzes do norte” (a Aurora Boreal). Saiba mais sobre a “Reserva de Céu Escuro” no site oficial https://www.darksky.org/ .

Leia também: Vancouver e a Aurora Boreal

Vale ressaltar que a beleza em Jasper é tão presente durante a noite quanto de dia. Fundado em 1907, o Parque Nacional – além de ter o título de “Reserva de Céu Escuro” – também é a morada do mundialmente famoso Columbia Icefields, um dos únicos campos de gelo do mundo acessíveis por estrada.

Considerado um dos mais selvagens dos parques montanhosos, o Parque Nacional de Jasper recebe mais de dois milhões de visitantes por ano e oferece diversas opções de atividades – que vão desde ski, rafting, escaladas, contemplação de animais selvagens até trilhas na natureza. Eu, Willians Mischur, aproveitei para passear com a família e caminhar pela região em prol de ver as montanhas e os lagos. Um cenário incrível para refletir e virar o ano.

A propósito, é possível tanto acampar quanto desfrutar de acomodações de requinte em Jasper. Nesse período, ficamos hospedados no Fairmont Jasper Park Lodge – um local que une luxo e conforto em sintonia com várias atividades recreativas e a proximidade com a vida selvagem. Inclusive, ao longo de seus 700 hectares, o resort apresenta o intocável “Lac Beauvert” – um lago belíssimo. Até a realeza britânica tem uma cabine de estimação no Fairmont: a “The Royal Retreat”. Quem quiser saber mais, é só acessar o site oficial https://www.fairmont.com/jasper/ .       

LAKE LOUISE – Era 1º de janeiro quando seguimos de ônibus em direção a Lake Louise – região mundialmente famosa por seus lagos de cor turquesa. Lá, comprovei mais uma vez a teoria de que a sensação de ver um local por fotos e a sensação de ver ao vivo não são a mesma coisa – definitivamente. É incrível: a visão das águas claras e dos altos picos e geleiras já atinge você logo na chegada ao local.

Lake Louise Ski Resort – Crédito Willians Mischur

Lake Louise guarda paisagens e aventuras de cair o queixo. É impressionante caminhar à beira do lago e observar o sol emoldurado pelo Monte Victoria enquanto a brisa traz consigo o cheiro de pinheiros frescos. Ali, há algo voltado para cada nível de aventureiro – de passeios de trenó, caminhadas, canoagem, pesca, mountain bike, rafting, snowboard, patinação no gelo até trenós puxados por cães. Meus filhos aproveitaram a temporada de inverno para esquiar.  

Ficamos hospedamos no Fairmont Chateau Lake Louise – um refúgio aconchegante e sofisticado cercado pela natureza exuberante da região. Aliás, sua estrutura foi construída há mais de 100 anos como base para entusiastas do ar livre e alpinistas. Eu, Willians Mischur, nunca irei esquecer a experiência de acordar de manhã tendo um lago incrível como vista do quarto. Confira mais informações no site oficial deles http://www.fairmont.com/lake-louise

Lake Louise Ski Resort no Canadá – Crédito: Willians Mischur

BANFF – Dias depois, nosso roteiro nos levou até Banff – um paraíso turístico a cerca de 30 minutos de Lake Louise. Localizado no coração das Montanhas Rochosas canadenses, Banff possui um dos melhores ecossistemas intocados do mundo e abriga o primeiro parque nacional do Canadá, cuja origem remonta o descobrimento de uma fonte termal natural por três trabalhadores ferroviários no ano de 1883.

Por outro lado, suas montanhas perfeitas datam de 45 a 120 milhões de anos atrás. Lá, o imponente Monte Forbes marca presença como o mais alto da região – com 3.612 metros. Como era inverno, aproveitamos para esquiar pelas montanhas do parque (downhill), passear de dog sleeding, fazer snowmobile e curtir o Spa Solace, além de conferir as lojas da cidade.       

Fairmont Banff Springs Hotel no inverno – Crédito: Willians Mischur

Dessa vez, ficamos hospedados no Fairmont Banff Springs Hotel – também conhecido como “Castle in the Rockies” (Castelo nas Montanhas Rochosas), que oferece serviços personalizados e hospitalidade há mais de 130 anos. Mais do que um espaço incrível, a estância permite experiências gastronômicas autenticamente locais, o que inclui uma verdadeira casa de chopp canadense – a 1888 Chop House. Saiba mais em https://www.fairmont.com/banff-springs/ .

Sou Willians Mischur. Brasileiro, esposo, pai, empresário, fotógrafo, coach, aficionado por viagens e um eterno sonhador.  

Entre um voo e outro, vem comigo! Próxima parada: os châteaux do Vale do Loire

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *