Entre um voo e outro com Willians Mischur: sair da zona de conforto

Você lembra da sua primeira viagem? A expectativa é grande, o frio na barriga surge e o mundo parece caber dentro do peito. Ao mesmo tempo em que você está empolgado, dúvidas aparecem na sua mente e a insegurança resolve dar a cara. Eu, Willians Mischur, lembro muito bem dessa sensação e já aviso: apesar de todo esse mix de sensações e emoções, viajar é a melhor coisa que você pode fazer por você.

Quando era mais jovem, achava que só conheceria os lugares por meio de fotos, livros, revistas e filmes. Não imaginava que viajar era algo possível e que estava ao alcance dos meus sonhos. Talvez, em parte, por conta de não ter um exemplo dentro da minha família – que sempre foi muito humilde e focada no trabalho.

Entrada do Walt Disney World nos Estados Unidos – Crédito: Willians Mischur

Recordo que meu destino dos sonhos era Balneário Camboriú, no litoral de Santa Catarina. Naquela época, essa cidade fazia parte do imaginário de muitas pessoas. Todo mundo idealizava passar o fim do ano com a família em suas praias. De fato, esse acabou sendo o destino da minha primeira viagem casado e com filho.

No decorrer da vida, fui ampliando meus horizontes e descobri que o restante do mundo não estava tão distante quanto imaginava. Compreendi que as barreiras nada mais eram do que algo imposto na minha mente. Basta visualizar, organizar e acreditar. Mais do que tudo, fazer acontecer.

Esqui com a família no Chile – Crédito: Willians Mischur

Certo dia, tomei a decisão de voar mais longe. Graças a um grupo de amigos que viajava muito para o exterior, decidi arriscar e ir junto. Com passaporte em mãos, fomos para Santiago, no Chile. Oportunidade em que esquiei pela primeira vez. Algo que, por sua vez, já foi inesquecível.

De lá, seguimos para Bariloche, na Argentina. Conhecer a Cordilheira dos Andes me permitiu conhecer também a neve. Aproveitamos a ocasião para conhecer os vinhedos da região. A sensação era de missão cumprida: viajar para fora do Brasil. Mas, eu queria mais. Ir além.

Região de vinhedos na Argentina – Crédito: Willians Mischur

PARA ALÉM DA AMÉRICA LATINA – O tempo passou e esses mesmos amigos prepararam um roteiro voltado para Miami, nos Estados Unidos. Resolvi ir junto e tirei o visto. Eu, Willians Mischur, confesso que tinha alguns receios naquele tempo – um deles era não falar ou compreender bem o inglês. Achei que ir acompanhado por pessoas que já falavam o idioma e conheciam o país seria mais tranquilo. De fato, foi. Mas, essa viagem me fez abrir a mente para viajar o mundo todo.

Mesmo com medo no início, percebi que desbravar um lugar diferente era possível. Sair da zona de conforto era preciso. Logo quando chegamos em Miami notei que o tabu por não falar inglês era isso mesmo: apenas um tabu. Existem muitos latinos e brasileiros trabalhando por lá, o que facilita muito o diálogo. Mas, convenhamos, sabendo o básico – pedir uma água ou indicação de banheiro – você se vira.

Carros esportivos nos Estados Unidos – Crédito: Willians Mischur

A Flórida é linda. O clima perfeito feito um cartão postal, diversas lojas, hotéis singulares, trânsito organizado e um efervescente cenário cultural e artístico. Isto, sem contar na facilidade para se alugar um carro esportivo – daqueles que você assiste nos filmes de ação. É um outro mundo, que agradeço demais a família Krause por ter me aberto as portas. A partir dali, a curiosidade por conhecer novos lugares só aumentou.

E é incrível. Com o tempo, você percebe que seus sonhos nunca são grandes demais. No máximo, talvez descubra que sua mala não tem tamanho suficiente. Você descobre que novos idiomas são bem-vindos e que fazer amigos no exterior é algo natural. Você vai acabar percebendo que já está planejando sua próxima viagem antes mesmo de terminar a atual. Assim como, constata que o fundo de tela do seu computador e/ou celular é um registro da sua última viagem.

Viagem de navio nos Estados Unidos – Crédito: Willians Mischur

Sim, você acaba percebendo que tudo mudou. Você tem algo que os alemães chamam de Wanderlust (“desejo de viajar”). Ou melhor, foi contagiado pela “dromomania” – uma vontade intensa e incontrolável por seguir viajando. Não à toa, quero dar a volta ao mundo.

Sou Willians Mischur. Brasileiro, esposo, pai, empresário, fotógrafo, coach, aficionado por viagens e um eterno sonhador.  

Entre um voo e outro, vem comigo! Próxima parada: Vancouver e Aurora Boreal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *